17.3 C
Caldas da Rainha
Sexta-feira, Junho 14, 2024

Em seis anos associação ajudou quase 600 homens vítimas de abuso sexual

Quase 600 homens vítimas de abusos sexuais procuraram a Quebrar o Silêncio desde a sua fundação há seis anos, pessoas como Manuel, Mário, Paulo ou Miguel, para quem a associação ajudou a gerir culpas e traumas e encontraram apoio “crucial”.

Desde que foi criada, em 2017, a associação recebeu 594 pedidos de ajuda, quase cem por cada ano de existência.

Em 2022 a Quebrar o Silêncio “voltou a registar um aumento nos pedidos de ajuda”, tendo 127 homens ou rapazes vítimas de abusos sexuais procurado a associação, o que representa “uma média de 10,5 novos casos por mês”.

“Janeiro e setembro foram os meses com a maior procura, tendo a associação registado 18 novos pedidos em cada um destes meses”, revelou a associação, no dia do seu aniversário.

De acordo com o presidente da associação, Ângelo Fernandes, a Quebrar o Silêncio registou um aumento no número de casos de 20% entre 2020 e 2021 e de cerca de 15% entre 2021 e 2022.

Mário, 56 anos, conheceu a associação através de um amigo, quando já nada o preenchia e só queria morrer. Vítima de abusos sexuais de forma continuada durante toda a vida, contou à Lusa que a “primeira recordação” que tem é de ter sido abusado por um grupo de jovens, quando tinha cinco anos.

“O apoio dado foi crucial para voltar a sorrir e abraçar a vida”, admitiu, revelando que hoje se sente uma pessoa capaz de dizer ‘não’, “mais assertiva e sem sentimentos de culpa”, depois das várias consultas na associação que o ajudaram a reerguer-se de “uma profunda depressão”.

Graças à Quebrar o Silêncio, Mário aprendeu a “aceitar o passado e a viver o presente”, a não silenciar a dor ou os medos e a enfrentar os problemas de frente.

“Acima de tudo, aprendi a não ter sentimentos de culpa. Já gosto de mim, já cuido de mim, já me olho ao espelho”, disse.

Artigos Relacionados

Redes Socias

5,247FãsCurtir
2,571SeguidoresSeguir
31InscritosInscrever

Últimas Notícias