15.5 C
Caldas da Rainha
Terça-feira, Abril 23, 2024

Centro Hospitalar Médio Tejo reabre unidade de cuidados cardíacos e fecha ‘ciclo covid-19’

O Centro Hospitalar do Médio Tejo (CHMT) reabre na sexta-feira, em Abrantes, a Unidade de Cuidados Intensivos Cardíacos (UCIC), assinalando “a fase de recolocação de toda a atividade” pós-pandemia de covid-19.

“É, de facto, um marco relevante, porque assinala a fase de recolocação de toda a atividade do pós covid-19 nos três hospitais do CHMT”, disse hoje à Lusa Casimiro Ramos, administrador do centro hospitalar que agrega os hospitais de Abrantes, Tomar e Torres Novas, todos no distrito de Santarém.

O gestor lembrou que houve a necessidade de “deslocalizar serviços entre unidades” hospitalares “para ter o hospital de Abrantes dedicado praticamente à covid” e que “faltava um único serviço voltar à normalidade”, a Cardiologia.

“Tal passava por, em Abrantes, ser reaberta a Unidade de Cuidados Intensivos de nível 2 – Cardíacos, que tinha sido também encerrada em 2019 por força da covid-19”, salientou.

Nos últimos três anos, recordou ainda, “os doentes mais críticos tinham de ser transportados para uma outra unidade, nomeadamente para o Hospital de Santa Cruz, em Lisboa, para que pudessem ser tratados na Unidade de Cuidados Intensivos”.

“Os doentes cardíacos com mais de 65 anos representam cerca de 9% das intervenções cirúrgicas [no CHMT], e a nossa população […] necessita de uma resposta com duas vertentes importantes e que passam por uma resposta ao doente crítico em Abrantes, com os cuidados intensivos cardíacos também em Abrantes e com as intervenções programadas em Torres Novas”, acrescentou o responsável.

Ainda de acordo com Casimiro Ramos, nos últimos três meses de 2022 registou-se um aumento “do número de inscritos, de consultas realizadas e de intervenções cirúrgicas”, embora continue a existir “lista de espera”.

Mas, insistiu, “nunca houve tanta gente operada, nem tanta gente foi consultada”, sobretudo desde o início da pandemia.

“Ou seja, também nesta atividade nós chegamos aos níveis de 2019, quando, digamos, funcionava tudo em pleno. É disto que se trata”, salientou.

Segundos os dados remetidos à Lusa pelo CHMT, em 2022 foram realizadas 363 cirurgias cardíacas (1,3 por dia útil), 6.986 consultas da especialidade (28 por dia útil) e 27.000 exames (MCDT – meios complementares de diagnóstico) da especialidade, dos quais 21.000 eletrocardiogramas.

A UCIC que será reativada na sexta-feira dispõe de seis camas e conta com o suporte de uma equipa multidisciplinar, que integra em permanência, 24 horas por dia, médicos cardiologistas, enfermeiros e assistentes operacionais, informou o CHMT.

Artigos Relacionados

Redes Socias

5,247FãsCurtir
2,571SeguidoresSeguir
30InscritosInscrever

Últimas Notícias